Um mês com os AirPods: o produto mais legal que a Apple lançou nos últimos anos

A Apple do Tim Cook já lançou muita coisa nos últimos anos: os iPhones com telas maiores, o iPad Pro com a Apple Pencil, a Apple TV de quarta geração, o Apple Watch… mas, é sério, nenhum deles é tão legal quanto os novos fones de ouvido sem fio AirPods — que me chamaram a atenção justamente por serem completamente livre de fios, até mesmo entre os dois lados.

Afinal, o que são os AirPods?

Se você, por algum motivo, ainda não sabe o que são os AirPods, eu explico. Em setembro do ano passado, a Apple anunciou os novos iPhones 7 e 7 Plus sem a antiga entrada para fones de ouvido. A aposta da empresa foi em novos fones totalmente sem fio e sem complicações — os AirPods.

Apesar de serem anunciados em setembro, a Apple disse que os fones só chegariam às lojas no final de outubro e, bem… isso não aconteceu. As vendas só começaram em meados de dezembro do ano passado, com os estoques esgotados em questão de minutos. Até hoje, se você comprar os AirPods pelo site da Apple, vai ter que esperar mais um mês para recebê-los.

Fones sem fio já existiam antigamente, a própria Apple já teve um em 2007, mas os AirPods são diferentes da maioria por uma série de motivos.

Começando do começo

Depois de esperar até fevereiro deste ano, meus AirPods finalmente chegaram. E a primeira coisa que eu notei — e que todo mundo deve notar — é a nova caixa bem diferente. Enquanto os antigos EarPods vinham em uma caixa de plástico bem simples, os AirPods são embalados em uma caixa de papelão resistente — ao mesmo estilo do iPhone, iPad e afins.

Na frente da caixa, há um desenho com os dois lados do fone em relevo, lembrando bastante a caixa do iPhone 6. Nas laterais, o símbolo da Apple e a escrita AirPods em uma cor prata brilhante. Fazendo jus ao precinho deles, a caixa já deixa aquela sensação de que os AirPods são um produto premium.

O que vem na caixa

Ao abrir a caixa dos AirPods você encontra um envelope com a escrita “Designed by Apple in California”, que contém um pequeno manual de instruções e outras informações dentro dele. Assim como fez com as caixas do iPhone 7 e do Apple Watch Series 2, não é mais o produto que aparece “logo de cara”.

Retirando esse envelope com os folhetos informativos, aí sim encontramos o estojo que guarda dentro dele os AirPods. Também vem no fundo da caixa um cabo Lightning para USB-A, que é utilizado para recarregar a bateria do estojo dos fones. Donos dos novos MacBooks, vocês precisarão de adaptadores ou de um cabo USB-C para recarregarem no computador.

E, para aqueles que se perguntaram isso alguma vez: não, você não vai ganhar mais adesivos da Apple comprando os AirPods. Uma pena.

Conectar é tão fácil quanto abrir a caixa

Um dos destaques dos AirPods, sempre mencionado pela Apple, é o fato da configuração e conexão dos fones ser extremamente fácil. Devo dizer, tudo acontece exatamente como nos vídeos promocionais, sem aquele processo chato e falho de ir até as configurações do Bluetooth, selecionar os fones, emparelhar…

Os fones estão sempre ligados, então você não precisa se preocupar com isso toda vez que for utilizá-los — nem mesmo na hora de tirá-los da caixa. Com o Bluetooth do iPhone ligado, foi só abrir a tampa magnética do estojo e… pronto! Meu iPhone já havia reconhecido os AirPods. “Parece mágica”, como diz a Apple.

Por ser a primeira vez conectando os fones, é necessário pressionar o único botão no estojo para autorizar a conexão — essa etapa depois não é mais necessária, somente ao tentar utilizar os AirPods com outro aparelho. Tudo isso se tornou possível graças ao novo chip W1 da Apple, criado especialmente para os AirPods — e também já utilizado em alguns fones da Beats — para facilitar a conexão sem fio entre os dispositivos. O W1 também permite que estes fones façam outras coisas, das quais falarei aqui depois.

Como já era de se esperar, toda essa “mágica” só funciona com os aparelhos da Apple mais recentes, já que o chip W1 depende de funções específicas do iOS e afins para funcionar. Apesar disso, é possível emparelhar os AirPods normalmente da forma tradicional com celulares Android, PCs com Windows e outros dispositivos que sejam compatíveis com Bluetooth.

Design e Usabilidade

Basicamente, por fora, os AirPods são apenas uma versão sem fio dos tradicionais EarPods. O formato é exatamente o mesmo dos fones com fio, com a diferença de que a base deles tem um pouco mais de espessura para comportar a bateria, antenas e um microfone na ponta de cada lado do fone. Isso significa que, se os EarPods não encaixam bem na sua orelha, dificilmente os AirPods vão encaixar.

No começo, é estranho usar os AirPods, parece que você está usando um par de anteninhas do futuro — ou qualquer outra coisa que não seja um fone de ouvido. No meu caso, também ficava sempre com a impressão de que os fones iriam cair a qualquer momento, coisa que não aconteceu até hoje.

Apesar de tudo isso, basta usar por alguns dias para se acostumar ao ponto de voltar para os fones com fio parecer impossível. Estar com fones totalmente sem fio é incrível! Sem mais enroscar em qualquer lugar, ou ter que lidar com aquela bagunça após tirá-los do bolso e perder alguns minutos do seu dia só para poder começar a ouvir uma música.

Os fones são bem confortáveis, leves, fáceis de encaixar na orelha e difíceis de cair delas. Eu andei, corri, subi escadas, tropecei, caí… e mesmo assim os AirPods não caíram da minha orelha até hoje. Parte disso ocorre justamente pela ausência dos fios, que tendem a puxar os fones da orelha conforme você se movimenta. Então, fique tranquilo! Eles não caem aleatoriamente como você pode estar pensando até agora.

O estojo para guardar e recarregar a bateria dos AirPods — que comentarei mais sobre ele depois — é bem pequeno, menor que aquela caixinha dos antigos EarPods, e ajudam bastante para que ninguém perca os fones enquanto não estiver usando eles. A tampa do estojo é magnética, então basta um empurrãozinho para abrir e fechar — e acredite, quando você comprar seus AirPods, vai passar o dia todo abrindo e fechando esse estojo. No começo, foi bem estranho andar com isso sempre no bolso, porém acabei me acostumando com o tempo. E sim, parece mesmo uma caixa de fio dental.

Ah, vale reforçar que os dois lados dos AirPods são totalmente independentes, ou seja: você pode usar apenas um dos fones quando quiser enquanto o outro fica desligado para economizar a bateria. Inclusive, se você está usando os dois fones e decide tirar um dos lados, o som é automaticamente alternado de estéreo para mono — isso me conquistou demais.

Controles (a falta deles) e a Siri

Sim, os AirPods são bem parecidos com os EarPods, mas a ausência dos fios também fez com que outra parte dos fones fosse deixada de fora: o controle remoto. Enquanto o microfone foi embutido nas pontas dos AirPods, os novos fones sem fio da Apple não contam com controles externos.

Ao invés disso, por meio de acelerômetros internos, os AirPods reconhecem quando o usuário dá dois toques seguidos em sua superfície para realizar algumas (poucas) ações. Por padrão, os dois toques ativam a assistente virtual Siri, porém também é possível alterar as configurações para que os toquem funcionem como Play e Pause. Mas vou falar aqui sobre usar a Siri nos AirPods como a principal forma de controle.

Em alguns momentos, a possibilidade de dar alguns toques nos fones para chamar a Siri e pedir algo sem ter que tirar o iPhone do bolso parece incrível. Isso, porém, tem mais complicações do que benefícios — e olha que eu costumo usar muito a Siri no meu dia a dia. O primeiro problema óbvio é que, hoje, a Siri precisa de internet para funcionar, ou seja: sem internet, sem Siri, sem controle dos AirPods.

A segunda situação envolvendo a Siri é a interrupção do conteúdo para utilizá-la. Com o antigo controle remoto dos fones com fio, você simplesmente aperta os botões e as coisas acontecem na hora — o que não é o caso usando a assistente virtual do iOS. Se você está ouvindo uma música e quer passar para a próxima, precisa chamar a Siri, esperar o toque para confirmar que ela está te ouvindo, dizer “próxima música”, esperar ela reconhecer o comando e aí sim pular de faixa. Ah, e nesse tempo, a música que você estava ouvindo simplesmente para.

Por outro lado, o fato de eventualmente conversar com a Siri em fones sem fio faz parecer que os AirPods por si só contam com a assistente embutida neles — acabo até esquecendo que estou conectado ao iPhone. Espero que, nesta parte, a Apple faça alguma melhoria nas próximas atualizações do iOS, como disponibilizar recursos básicos da Siri sem internet para controlar as músicas.

Ainda nos controles, a Apple desenvolveu uma forma um tanto que diferente para controlar a reprodução de músicas e outros conteúdos automaticamente — e devo dizer que esta é uma das coisas que eu mais gostei nos AirPods. Por meio de sensores infravermelhos, presentes na superfície dos fones, os AirPods reconhecem quando você os coloca ou tira da sua orelha para reproduzir ou parar.

Se você estiver ouvindo uma música, ou assistindo a um filme, basta tirar do ouvido um dos fones para o Pause automático. Colocando o fone de volta, o comando de Play acontece automaticamente. Isso acaba sendo muito útil especialmente para os esquecidos. Eu mesmo, várias vezes, já tirei meu fone da Beats, esqueci de parar a música e ele ficou lá tocando por horas sem eu notar até a bateria acabar.

O melhor controle pode estar no seu pulso

Foi aí que eu percebi… eu provavelmente estava vestindo o melhor controle remoto para os AirPods. Com o Apple Watch, dá pra entender melhor a ideia da Apple com os fones, já que o relógio facilita muito no controle de várias coisas do iPhone.

Com a tela de “Reproduzindo Agora” no Watch, eu só preciso levantar o meu pulso para trocar de música ou ajustar o volume rapidamente girando a Coroa Digital — lembrando que é possível controlar o som geral do iPhone ou iPad pelo relógio, não apenas em músicas.

Qualidade sonora

Eu não sou nenhum audiófilo ou coisa parecida para dizer, detalhadamente, como é o som dos AirPods — mas aqui vão algumas considerações. Em geral, o som dos fones sem fio da Apple é quase o mesmo que os antigos EarPods conseguem entregar, com algumas melhorias aqui e ali — o que eu acho incrível para um fone totalmente sem fio, devo dizer.

O que não é tão bom assim, e a culpa não é bem da Apple, é a qualidade do áudio captado pelos microfones embutidos em cada lado dos fones. Por conta de uma limitação da tecnologia Bluetooth atual, há uma compressão extremamente alta no som dos microfones, deixando a impressão de que você está conversando em um telefone com sinal ruim. É usável para realizar chamadas rapidamente, usar o Ditado ou falar com a Siri, mas nem tente usar para gravar um Podcast, por exemplo — o microfone dos velhos EarPods é extremamente melhor.

Obviamente, existem fones com qualidade de áudio bem superior a dos AirPods por este preço, mas volto a dizer: o destaque desses fones é a sua tecnologia totalmente sem fio e com emparelhamento rápido, e eles não são vendidos como fones profissionais para quem busca algo de alta fidelidade. Continuo admirado por um fone Bluetooth entregar um som tão satisfatório assim.

Minha única reclamação de verdade é pelo fato dos AirPods não contarem com cancelamento de ruídos externos — algo que pode ser bem prejudicial dependendo dos locais em que você costuma usar os fones. Tente ouvir alguma coisa com eles dentro de um shopping lotado, por exemplo, e vai ter que aumentar o volume até o máximo para não escutar os barulhos de fora.

Utilizando com vários dispositivos

Outra promessa da Apple para os AirPods é a possibilidade de usar os fones em mais de um dispositivo sem aquela chatice de ter que desconectar em um e, depois, conectar novamente em outro. Apesar disso eventualmente não funcionar como deve (esse processo melhorou muito com o iOS 10.3 e outras atualizações lançadas recentemente), foi uma das melhores ideias que tiveram para o produto.

No meu caso, eu tenho iPhone, Mac e Apple Watch como aparelhos principais atualmente do ecossistema Apple, algo que torna os AirPods ainda mais especial. Quando você conecta os fones pela primeira vez em um dos seus dispositivos, ele automaticamente os configura em todos os outros — por meio da conta do iCloud. Assim, você não precisa fazer o processo de emparelhamento em cada um deles.

Na hora de usar, os AirPods sempre preferem o iPhone, caso ele esteja por perto. Se não,  eles são conectados com o relógio, Mac ou o que estiver próximo no momento. Para alternar o uso dos AirPods entre dispositivos com iOS e o Apple Watch é extremamente simples e rápido: é só “dar o play” onde quiser — sim.

Começou a ouvir uma música no Watch? Ele automaticamente vai se conectar aos AirPods. Quer voltar para o iPhone? Novamente, é só começar a reproduzir algum conteúdo no celular e os fones já voltam a funcionar nele, sem ter alterar qualquer configuração. No Mac, basta selecionar os fones naquela lista de conexões AirPlay. Tudo proporcionado pelo tal novo chip W1 da Apple.

Bateria

Em um primeiro momento, a questão da bateria pode parecer um problema nos AirPods, afinal, a própria Apple divulga que os fones conseguem até 5 horas de autonomia. Isso é bem verdade, porém há um detalhe importante que deve ser lembrado: o estojo em que se guarda os AirPods também serve como uma bateria externa para os fones.

Ao colocar os AirPods no estojo, ele recarrega a bateria dos fones automaticamente. Quando completamente carregado, este case consegue dar até 5 cargas completas nos AirPods — ou seja, aproximadamente 24 horas de duração total. Em cerca de 30 minutos dentro do estojo, a bateria dos fones já fica completamente cheia.

Como eu nunca fiquei 5 horas seguidas usando os AirPods — nenhum fone de ouvido, pra ser sincero — a bateria deles não é um problema para mim. Uso por certo tempo, guardo eles e, quando quero usá-los novamente, já estão 100% recarregados. Na parte inferior do estojo, há uma conexão Lightning para recarregar a bateria interna dele — que também não demora muito.

Uma pequena luz colorida dentro do estojo indica se os AirPods estão com a bateria fraca, cheia ou sendo recarregados naquele momento. Também é possível acompanhar detalhadamente a porcentagem da bateria de cada lado dos fones e do próprio estojo por meio de um widget no iOS, assim como nas informações de bateria do Apple Watch.

Aliás, tudo isso permite uma situação específica bem interessante. Se você estiver usando os fones e a bateria estiver acabando, você pode deixar apenas um dos lados no estojo recarregando enquanto o outro continua funcionando normalmente — e assim você vai alternando para não ter que parar o que está ouvindo.

O que eu espero para as próximas versões

Gostaria muito que, para as próximas versões dos AirPods, a Apple olhasse com carinho para algumas destas reclamações que fiz aqui — como o fato dos fones não terem qualquer cancelamento de ruídos externos ou até mesmo a ausência de controles.

Seria interessante uma nova geração com mais gestos, como por exemplo arrastar o dedo na superfície dos AirPods para alterar o volume. Enquanto isso não acontece, alguns controles da Siri sem precisar de internet já estaria de bom tamanho. Uma forma de melhorar a qualidade do áudio captado pelos microfones e resistência à água também são recursos bem-vindos.

O veredito

Como provavelmente deu para perceber nesta resenha, eu estou apaixonado pelos AirPods de uma forma geral. Apesar de alguns erros, que eu espero muito que sejam corrigidos futuramente, os fones surpreendem pela tecnologia e simplicidade — algo que eu nunca tinha visto até então em outros modelos sem fio.

Muito além de simplesmente ter fones completamente sem fio, os AirPods proporcionam uma experiência única para aqueles que possuem mais de um dispositivo da Apple. Aquela chatice de usar coisas por Bluetooth e o receio da qualidade sonora não ser tão boa assim ficam para trás.

E aí, vale a pena?

Eis a pergunta final que vocês provavelmente chegaram até aqui para saber a resposta. Bom, a verdade é que: depende. Como eu disse ali em cima, se você está procurando fones com som de alta fidelidade, os AirPods não são para você — aliás, acho que nenhum fone Bluetooth atual é. Porém, se você é como eu e prioriza a tecnologia embutida, com fones totalmente sem fios e emparelhamento rápido com uma qualidade razoável, certamente vai adorar ter eles.

Ok, eles custam oficialmente R$ 1.399 na loja online da Apple no Brasil, mas o preço dos concorrentes não é tão diferente assim. A Samsung, por exemplo, vende um fone sem fio no mesmo estilo por R$ 1.499 aqui. Lá fora, os AirPods custam 159 dólares, sendo mais baratos que vários fones da categoria — como o Bragi The Dash por 299 dólares. Se você consegue bancar este valor, seja aqui ou lá fora, garanto que não vai se arrepender.

Pronto para entrar no mundo sem fio da Apple? Isso, claro, depois de esperar as 6 semanas do prazo de entrega estipulado na compra online dos AirPods.

Ficou alguma dúvida sobre o produto? É só perguntar nos comentários!

Filipe Espósito

Filipe é o criador do iHelp BR. Sempre fascinado por tecnologia, começou a se interessar pela Apple após ganhar o primeiro iPod touch, em 2007. Com a falta de conteúdos sobre a Apple no Brasil, na época, decidiu abrir o iHelp BR para compartilhar dicas e notícias. Entre seus dispositivos mais recentes estão um iPhone 6 Plus, MacBook Pro de 13 polegadas, Apple Watch Series 2 e os novos AirPods. Atualmente está cursando graduação em Jornalismo.

Publicações Recentes
  • EXCELENTE REVIEW! Curti bastante! Somará na escolha da compra! Valeu, Filipe!

    • Obrigado! E tomara que você goste dos AirPods tanto quanto eu, rs.

  • Hudson Tan

    Curti o review! Acabei de comprá-los na “promoção”da Fast Shop! Tomara que eu ame!!! Rss Até porque esse precinho Brasil tá complicado mesmo com desconto!

    • Com esse precinho, qualquer desconto é bem-vindo, né? Hahaha. Aproveita!

      • Hudson Tan

        Você acha que existe uma possibilidade da Apple fazer alguma atualização do software dos fones adicionando novos tipos de controle por toque os AIRPODS?